domingo, fevereiro 27, 2011

UM NATAL FORÇADO! - PARTE II

O tempo nasceu antes mesmo que o homem pensasse em existir,
e por isso possui mais força e sabedoria que a humanidade.
Assim, seguindo um raciocínio próprio,
tudo resolve... mesmo quando o homem, tolo que é,
como uma criança mimada não lhe dá ouvidos.
(Esyath Barret)

“Andy Mcallen havia sido convidado para a ceia de natal dos Gouveia pela própria Gigi, matriarca da família. Era público e notório que mesmo após a grande decepção amorosa que havia sofrido com a neta golpista da boa senhora, ainda dedicava à família da ex um grande afeto, principalmente porque quando chegou ao Brasil, sem conhecidos, amigos ou família, foram os Gouveia que lhe acolheram. Não apenas lhe vendendo a empresa, mas apresentando-o à sociedade para que seu negócio progredisse com os bons contatos da família.

Gigi era a fundadora de uma empresa de borracha, e quando envelheceu nenhum de seus dois filhos quis continuar no negócio. O mais velho era Gourmet e tinha um restaurante próprio e a filha vivia apenas de ser uma viúva Socielite que sobrevivia da pensão do falecido e das mesadas que a mãe lhe dava.

Então, apesar da dor de ser forçada a vender a Borrach´s G, a boa senhora ficou contente em saber que seria a alguém que amava administrar, que tinha talento para a coisa e que estava disposto a seguir algumas de suas orientações sábias, aprendidas após anos no ramo. E quando ela adoeceu, ele fez questão de custear todo o seu tratamento, para que não lhe faltasse nada, pois havia aprendido a amá-la como a uma mãe. Por sorte ela estava se recuperando e seu câncer estava em remissão. O que ele não entendia é porque Débora após tanto tempo havia decidido voltar, ainda mais após ter jurado nunca mais lhe dirigir um mísero olhar, quando diante dos tribunais tentou arrancar-lhe até o último centavo possível.

- Quem quer o peito do peru?

- Eu aceito! – Disseram ao mesmo tempo Andy e Debbie, já com seus pratos levantados.

Na mesma hora baixaram os pratos quando se deram conta de que haviam repetido a mesma cena de tantos anos atrás. Gigi olhou para ambos com um sorriso maledicente no rosto, mas não esperava o que aconteceu...

- Pode ficar Débora.

- Eu não quero mais, obrigada.

- Mas eu faço questão, afinal você sempre quer o que for melhor não é?

- Acho que é o desejo de qualquer um Andy. Mas não gosto de tomar aquilo que não é meu de verdade!

- Mas Débora, nós sabemos que você nunca se incomodou em abrir mão da parte mais cara de algo! – Enquanto retrucava, ele pensou em como ela havia conseguido em uma frase dar ao seu nome o sentido de uma ofensa. Deve ter sido o tom empregado... A televisão a estava perdendo...

- Nem sempre o mais caro é aquilo que se pensa que é Andy.

- Então você acha que o peito do peru que é o mais visado em qualquer jantar nem sempre é o mais caro?

- Não nem sempre! Para ser franca o peito sem o resto não é nada! De nada adianta ter um peito caríssimo e valioso se o resto do Peru não presta!

- Mas o resto não seria nada sem o peito!

- Nisso eu concordo, por isso algumas pessoas visam apenas o peito. Mas a verdade é que aprendi que se o peito é desejado por muitas pessoas, então se deve apenas arrancá-lo do peito para que ninguém coma e não haja brigas.

- Isso quer dizer que você é a favor do desmembramento do peru e que o principal seja jogado fora?

- Claro, porque aí sim se saberá se a pessoa realmente estava com fome. Se for capaz de comer qualquer outro pedaço. Do contrário, se saberá que não passava de capricho.

Se precisa dizer que todos na mesa acompanhavam a discussão boquiabertos? Era necessário dizer que a conversa ali ultrapassava e muito o peru e que ambos estavam alterados e praticamente gritando?

Então de repente Debbie se levantou da mesa e pediu licença a todos. Entrou na biblioteca do apartamento e só percebeu que havia sido seguida quando na tentativa de jogar no chão o abajour, alguém lhe impediu, segurando com força a sua mão.”

Continua...
__________________________________________
Como sempre quero agradecer as visitas e a leitura que fazem dos meus textos. É muito importante contar com a companhia de vocês aqui no blog. Vocês nem imaginam. Espero poder contar sempre com seus comentários. Bons ou negativos, sempre são construtivos e me ajudam a pensar melhor sobre o que posto e sobre a vida... Essa história é a continuação da postagem anterior... São três capítulos... Não é surreal, talvez os diálogos até pareçam um pouco ensaiados, mas a verdade é que muitas das nossas histórias pessoais parecem ter chegado ao fim, quando na verdade estão apenas no intervalo de um segundo ato... É preciso ponderar porque discutimos tanto e o que nos impede de ouvirmos de verdade quem amamos e de sermos escutados! É preciso haver um pouco de compreensão e diálogo sempre... Sempre vale a pena insistir um pouco mais no que acreditamos... A questão é: desistimos por descrédito ou por orgulho?
Beijos (Des)conexos!
PS.: Estou atualizando as visitas... Juro! :D

11 Comments:

  • At 10:21 PM, Blogger A moça da flor said…

    bacana tua narrativa!
    daquele tipo que faz a gente querer ler pra saber o final.
    obrigada pelas 'boas vindas', que é na verdade um retorno. Mas é bom retomar coisas que nos fazem bem.
    abraço

     
  • At 3:20 PM, Blogger Esyath said…

    Olá, tudo bem? As boas vindas seria dentro de um contexto onde você no seu retorno começou novamente... Por isso o "Bem Vinda"!- risos.
    Obrigada por ter apreciado o meu texto... Talvez afinal tenha sido bom mesmo a divisão do conto em três capítulos...

    Beijos (Des)conexos!

     
  • At 9:36 PM, Blogger Thiago César said…

    eita, tudo isso por causa de um peru? ehehe...
    to brincando, entendi o sentido...
    a narração do começo pareceu novela da globo, mas td bem! hehehe!
    parabens!

     
  • At 10:09 AM, Blogger Esyath said…

    Oi Thiago,

    você achou que ficou com cara de narativa global? Ah... assim não vale... Vou então pedir pra sair... Vou pedir pra sair... Humpf! - risos.
    Pois é... muitas vezes já percebeu como implicamos, provocamos e brigamos com alguém por besteiras? Muitas vezes existe uma mensagem implícita dentro... Muitas vezes a verdadeira natureza da discussão possui outra razão mais profunda...
    Gracias pela visita.

    Beijos (Des)conexos!

     
  • At 2:52 PM, Blogger Moita said…

    Suas histórias não têm naa de desconexas. rss

    1 Cheiro

     
  • At 2:53 PM, Blogger Moita said…

    Eu tentei dizer nada de desconexas.

    Outro cheiro do Moita

     
  • At 5:03 PM, Blogger Esyath said…

    Risos.
    Moita eu te adoro! Affe.
    Disse muito e não disse nada... - risos.
    Será que não são desconexas? Eu não vejo conexidade alguma entre algumas delas... Mas vamos ver...

    Beijos (Des)conexos!

     
  • At 4:59 PM, Anonymous ana poeta. said…

    Mana.

    Saudades de ocê. Sabe, tenho q confessar q não li a primeira parte, ms voltarei c mais calma pra dá atenção q vc merece, pois seus textos são carregados de emoção e muita, muita dedicação no q vc ama fazer: escrever.

    Beijos Poéticos.
    ;**

     
  • At 12:28 PM, Blogger Esyath said…

    Oi Mana,

    olha... fique tranquis tá? Eu mesma estava em falta com você, porque demorei a perceber que você tinha voltado a postar. O que foi uma grande falha da minha parte, por isso fique sussa quanto a ler a primeira parte. Na verdade sei que está longe de ser um dos meus melhores textos... Mas é treinando que se chega lá né?
    Bom Carnaval!

    Beijos (Des)conexos!

     
  • At 12:08 PM, Blogger Folhetim Cultural said…

    Olá gostaria que visita se meu blog que é dedicado a cultura. Espero que goste nele tenho uma coluna poética aos sábados ás 09 da manhã espero poder contar com sua visita.

    Sucesso em seu espaço.

    Magno Oliveira
    Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno
    Telefone: 55 11 61903992
    E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

     
  • At 8:35 PM, Anonymous Lista Telefonica said…

    Conheça a melhor Lista Telefônica do Litoral. Acesse www.SUALISTA.com.br e saiba mais!

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home